14/10/2012

Só me restou a saudade

Andando pelas ruas, com meu coração vazio, a solidão me acompanhando até a estação de trem, nunca sei como posso ser tão solitária, não gosto disso, não me sinto bem, quero alguém pra dividir esse espaço da calçada. É tão difícil ter que viver assim, os dias passando, e a solidão só aumentando. Mas é melhor, assim me recupero daquele trauma, naquele café, as 5:00 da tarde, tomando meu cappuccino e lendo um livro qualquer quando você entrou pela porta. Seu perfume encheu o ambiente, sua voz delicadamente pediu um café, procurei o dono dela, meu olhar, com um pouco de esperança, varreu a sala, até chegar em você, encostado no balcão, com uma camiseta dos beatles, que coincidentemente é minha banda favorita, apenas uma mesa vazia, ao lado da minha, você se sentou, sentiu o meu olhar virou-se e sorriu, um sorriso de quem estava muito triste e precisava de um ombro amigo, me sentiria culpada se não perguntasse se tudo estava bem, você apenas fez que sim com a cabeça, e depois de alguns segundos de silêncio completou: “nada é fácil”, meio que fiquei sem entender, não queria perguntar e fiquei com medo de que você levasse a mal, apenas balancei a cabeça um pouco desanimada, e disse “por que?”, “nem sempre podemos ter quem nós queremos” você disse olhando para o nada, “saiu de um relacionamento ruim?” perguntei um pouco tímida, “entrei em um que nem existia”, conversamos mais sobre isso, você abriu seu coração, confiou em mim. Trocamos telefone, nos conhecemos melhor, viramos amigos, e num dia qualquer, num lugar qualquer, você me beijou, beijou com amor, com paixão, como se nunca mais fosse me ver, e disse entre o beijo, ”eu te amo”, eu apenas continuei, e em alguns meses estávamos brigando, parecia que aquele amor não existia mais, você queria me controlar, você queria mandar em mim, brigamos muito a partir daí, terminamos, e nunca mais vi você, só me restou a saudade e as lembranças de quando estávamos bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário